Hospital Aquiles Lisboa bate recorde de consultas ambulatoriais em maio


Paciente durante atendimento no Hospital Aquiles Lisboa (Foto: Julyane Galvão).

O Hospital Aquiles Lisboa, localizado no Bairro Vila Nova, atingiu no mês de maio mais de 4 mil consultas ambulatoriais, um recorde para o período. Unidade da Secretaria de Estado da Saúde (SES) referência para o tratamento de hanseníase, o hospital também atende a população em consultas ambulatoriais em dez especialidades.

Em maio de 2015, o hospital realizou 3.634 consultas. Já este ano, o número aumentou para 4.001– um acréscimo de 367 consultas. Segundo o diretor geral da unidade, Raul Fagner Leite da Silva, o aumento reflete as mudanças dos processos de trabalho implantadas no Hospital Aquiles Lisboa desde 2015.

“Mudamos a forma de agendamento de consultas, com isso o absenteísmo (faltas) caiu muito. Hoje, é de apenas 13%. Avançamos na qualidade da organização do atendimento, melhoramos os horários de atendimento dos médicos, ligamos para os pacientes para que eles não faltem à consulta, enfim, melhoramos a organização desde o agendamento até a consulta”, explica Raul Fagner.

Paciente durante atendimento no Hospital Aquiles Lisboa (Foto: Julyane Galvão).

Atualmente, o hospital disponibiliza atendimentos à população em clínica médica, endocrinologia, ginecologia, neurologia, nutricionista, obstetrícia, ortopedia, pediatria, reumatologia e urologia – esta última especialidade incorporada nos últimos anos.

Diagnosticada com hanseníase, a paciente Ana Lúcia da Silva Moreira faz o acompanhamento em diversas especialidades na unidade de saúde há 1 ano e 4 meses e só tem elogios. Ela acredita que o Hospital Aquiles Lisboa é uma prova de que o SUS pode funcionar bem. Na sexta-feira (7), a paciente precisou retornar para uma consulta após um dos especialistas ter constado uma alteração em seus exames.

“Sempre fui bem tratada. Sou bem recebida e acolhida. Não tenho o que reclamar. Nunca tive problemas para marcar consultas. Esses dias, tive uma consulta e pensava que estava tudo bem comigo, marcaram outra consulta imediatamente, porque estava precisando urgente. Fui encaminhada para outro hospital. Fui bem tratada”, testemunha Ana Lúcia da Silva Moreira.