EMSERH recepciona novos residentes nas áreas médicas e multiprofissionais

Médicos e demais profissionais de diversas áreas da saúde participaram na sexta-feira (1º) da recepção para os residentes das áreas médica e multiprofissional ofertadas pelo Governo do Maranhão, por meio da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH).

Atualmente, a EMSERH possui sete residências médicas, com 28 vagas no total que são em Cirurgia Geral, Clínica Médica, Dermatologia, Urologia, Pediatria, Psiquiatria e Ortopedia. Para as demais áreas da saúde (multiprofissional), são ofertadas residência em Oncologia, Neonatologia e Terapia Intensiva Adulto – totalizando 24 vagas. Em São Luís, os hospitais que possuem residência são os  Hospitais de Alta Complexidade do Maranhão Dr, Carlos Macieira, Infantil Dr. Juvêncio Matos, Nina Rodrigues e de Câncer do Maranhão Dr. Tarquínio Lopes Filho.

“A gente precisa ter qualidade na assistência, então hoje um profissional capacitado consegue entregar um tratamento melhor a um custo menor para a população. Quando a assistência é ampliada na rede, a gente leva mais saúde para a população, além de capacitar mão de obra local”, afirmou o presidente da EMSERH, Rodrigo Lopes.

O presidente destacou, ainda, que com os programas de residência avançando no estado, o deficit de profissionais da saúde, sobretudo médico, tende a diminuir. “Quando a gente começa a criar aqui um polo formador de profissionais, a tendência é que ele seja absorvido pela nossa rede estadual de saúde. Quando o profissional tem que ir embora para outro estado estudar, a probabilidade de permanecer lá é muito grande”, esclareceu.

O médico e secretário de Estado de Políticas Públicas, Marcos Pacheco, proferiu a aula magna ‘Ética médica na prática médica. A boa técnica como expressão ética na medicina contemporânea’. Pontou que profissionais de todas as áreas, em especial os de saúde devem sempre buscar a excelência do serviço, ‘olhar nos olhos’ dos pacientes, pois naquele momento eles são extremamente vulneráveis.

“Estes profissionais que iniciam a residência hoje terão uma carga horária de 60 horas semanais, 20 a mais que o trabalhador comum e todas elas voltadas a aprendizagem em serviço, sendo constantemente avaliados. O profissional que sai dessas residências, sai com, pelo menos, cinco a sete anos a mais de conhecimento do que um que não fez. O mínimo que ele pode fazer, é retribuir acolhendo e atendendo bem seus pacientes”, explicou o secretário.

Novos residentes médicos e multiprofissionais (Foto: Vitor Jhordan)

“A residência é uma oportunidade excelente de pôr em prática a teoria e dessa forma, ao mesmo tempo em que estuda você adquire experiência profissional, que é bastante cobrada pelo mercado de trabalho”, declarou a farmacêutica Luciene Sousa, residente em Oncologia.

O médico José Ricardo Freitas, residente em Dermatologia, diz que está muito feliz em poder fazer a residência que sempre quis em seu próprio estado. “Sou daqui, sempre estudei aqui e vejo que o Maranhão me proporciona o crescimento que almejo há bastante tempo. O estado tem muito potencial de crescimento”, destacou o residente.

Aumento vagas residência 

O Governo do Maranhão, desde 2015 vem se empenhando para credenciar Programas de Residências Médicas, na rede de serviço de saúde do Estado e na Universidade Estadual do Maranhão (Uema).

O número de vagas de entrada nas residências médicas, passou de 40 em 2014 para 96 vagas em 2018. Além disso, criou as residências multiprofissionais em 2017, que oferta 32 vagas. Com esta ampliação de vagas, tanto na graduação em Medicina, que passou de 390 em 2014 para 545 vagas em 2018, como nos Programas de Residências Médicas e Multiprofissionais, o Maranhão está criando condições adequadas para garantir o aumento de profissionais qualificados no Estado.