Governo do Estado capacita profissionais de saúde para descentralização do diagnóstico da tuberculose

Foto 1_Jullyane Galvão_SES_13072016 - Governo do Estado capacita profissionais de saúde para descentralização do diagnóstico da tuberculoseO Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), em parceria com a Universidade Federal do Espírito Santo, promove, nesta semana, no Setor de Análise de Amostras do Laboratório Central de Saúde Pública do Maranhão (Lacen), uma capacitação para o diagnóstico da tuberculose. O objetivo é qualificar bioquímicos e farmacêuticos de vários municípios para descentralizar o serviço da capital, e, ainda, padronizar o exame de acordo com as normas do Ministério da Saúde. O método de cultura da micobactéria causadora da tuberculose é o Ogawa-Kudoh (OK).

A escolha deste método obedece à eficiência na identificação da maioria das espécies de micobactérias e também por duas grandes vantagens, como baixo custo para os laboratórios e rapidez nos resultados, que permitem diagnósticos precisos. A implantação do OK é inédita no estado e agilizará os tratamentos dos pacientes.Profissionais que atuam no diagnóstico laboratorial da tuberculose em cinco municípios participam da capacitação. Imperatriz, Barra do Corda, Bacabal, São José de Ribamar e São Luís foram as cidades escolhidas devido à localização geográfica e por cada uma ser regional de saúde e atender grande parte da região onde estão localizadas.

A diretora de patologia clínica do Lacen, Lécia Cosme, considera o treinamento no método OK fundamental para a qualidade do tratamento de tuberculose no Maranhão. “Com a descentralização do diagnóstico, serão evitadas as perdas de amostras durante o deslocamento para São Luís. O exame do paciente vai ser feito no município onde ele reside e será entregue mais rápido, tornando o tratamento da doença eficiente e ágil”, explicou Lécia.

Solange Alves Vinhas, professora da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), é quem está à frente da capacitação na capital e afirma que a população só tem a ganhar com a difusão do método OK em todo Brasil e consequente descentralização do diagnóstico em tuberculose. “O Maranhão precisa desta estratégia de diagnóstico para disponibilizar, de forma digna, aos pacientes uma cura rápida e sem chances de retratamentos ou abandonos. Quanto mais estados aderirem ao método OK, menor será a incidência de tuberculose no país”, afirmou a professora.

Método Ogawa-Kudoh
O método Ogawa-Kudoh (OK) é destinado ao cultivo e isolamento de diferentes espécies de Mycobacterium – gênero de actinobactérias, altamente patogênicas, associadas a doenças comuns como a própria tuberculose e até lepra – em amostras clínicas diversas. Esse método consegue a maioria das espécies de micobactérias e tem as vantagens do baixo custo e rapidez nos resultados. O OK baseia-se na cultura (considerada o padrão ouro para o diagnóstico da tuberculose) e sua formulação foi modificada, focando na otimização da descontaminação.