Município de Paço do Lumiar ganha sua primeira UPA

Unidade de saúde será administrada pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH).

Fotos: EMSERH/ Ruy Barros

Foi inaugurada na manhã desta segunda-feira (22), pelo Governo do Estado e pela Prefeitura de Paço do Lumiar, a primeira Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município. O novo serviço será referência para atendimento de urgência e também reforça o combate à COVID-19. A unidade de saúde será administrada pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH).

A unidade localizada na Avenida 08, S/N⁰, no bairro do Maiobão, em Paço do Lumiar, vai funcionar como UPA tipo III. A capacidade de atendimento médio é de até 350 pacientes por dia. Serão oferecidos atendimentos clínicos, ambulatoriais, exames de Raio-X, além de 28 leitos entre clínicos, UTI e observação infantil.

O presidente da EMSERH, Marcos Grande destacou que a unidade de saúde vai fornecer um serviço de saúde pública com qualidade em Paço do Lumiar. “Esse equipamento público vai substituir a unidade mista e vamos gerenciar esta unidade com a mesma transparência e eficiência buscando tratar da melhor forma possível o nosso paciente. Vamos fortalecer o SUS e vamos vencer”, destacou.

Durante a obra de reestruturação, realizada pela Secretaria de Estado de Governo (Segov), foi realizada a modernização da estrutura física, substituição das instalações no teto e nas paredes, além da instalação de um sistema elétrico mais moderno e seguro.

As Unidades de Pronto Atendimento são classificadas por porte (três). O Porte III tem o mínimo de 15 leitos de observação, capacidade de atendimento médio de 350 pacientes por dia e população na área de abrangência de 200 mil a 300 mil habitantes.

A UPA de Paço do Lumiar é uma unidade voltada neste momento para o combate à Covid 19, mas está disponível para outros atendimentos se houver necessidade. “É uma UPA porte 3 e a maior das UPAs que teremos na nossa rede de assistência. Tenho certeza que vai mudar a forma de se fazer saúde no município”, explicou o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.