Ministério da Saúde lança campanha de alerta para vacinação de gestantes

O Ministério da Saúde, em parceria com a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e as Sociedades Brasileiras de Pediatria (SBP) e Infectologia (SBI), lançou este mês campanha de vacinação dirigida às mulheres grávidas. Com o mote: “Calendário de vacinação da gestante: um sucesso de proteção para mãe e filho”, a campanha tem o objetivo de melhorar a cobertura vacinal entre as futuras mães e sensibilizar as mulheres para a importância de se proteger contra doenças durante a gestação.

Dados do Ministério da Saúde apontam queda na cobertura vacinal de diversas vacinas entre as gestantes em 2017.  No ano passado, a cobertura da vacina dTpa (difteria, tétano e coqueluche), por exemplo, exclusiva para gestantes, foi de 38,5%. A meta era atingir 95% do público-alvo.

Para a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues, a baixa adesão das gestantes às vacinas é um risco para a saúde das mães e bebês. “Durante a gestação as mães e os bebês estão suscetíveis a doenças que podem ser evitadas com a adesão à vacinação. A infecção de doenças como tétano, coqueluche, hepatite B, difteria e influenza na gestação pode ocasionar problemas graves de saúde nas mães e bebês e até levar a óbito. É importante que as futuras mães procurem as unidades de saúde e se protejam”, destaca.

Além de zelar pela própria saúde, a gestante transfere os anticorpos obtidos com a vacinação — primeiramente por meio da placenta e, depois, pelo leite materno. Essa proteção é fundamental nos primeiros meses de vida da criança já que o sistema imunológico ainda está se desenvolvendo e fortalecendo. O Ministério da Saúde, por meio do Programa Nacional de Imunizações (PNI) oferta quatro vacinas para gestantes: dTpa (difteria, tétano e coqueluche); dT (difteria e tétano); hepatite B; e influenza. As vacinas para gestantes são seguras e não causam problemas à saúde das mamães.

Fonte: Agência Saúde (Ministério da Saúde)