Hospital Macrorregional de Caxias completa sete meses e destaca-se por atendimento humanizado

FOTO 1 CAXIAS “O que aconteceu neste hospital com a minha vozinha, espero que seja exemplo para muitos que ainda irão passar por aqui. Estamos muito gratos por tudo o que foi feito, principalmente, pela paciência, cuidado e dedicação de todos os profissionais dessa instituição”. O trecho da carta escrita pela estudante de Pedagogia, Mauriane Silva, de 24 anos, agradece a equipe do Hospital Macrorregional de Caixas Dr. Everaldo Ferreira Aragão, após três meses de internação de dona Antonia Maria do Carmo Conceição, de 67 anos, que deu entrada no hospital no dia 14 de maio com um quadro grave de osteoporose.

Inaugurado no dia 27 de janeiro de 2016, o Hospital Macrorregional de Caxias completou sete meses de funcionamento e tem sido reconhecido por prestar à população um serviço resolutivo e humanizado. De janeiro a julho, foram exatos 577.103 atendimentos, dentre procedimentos de enfermagem, exames de apoio diagnóstico, cirurgias, consultas ambulatoriais, internações, serviços de psicologia, assistência social, fisioterapia, nutrição e fonoaudiologia.

Dentre as 2.030 cirurgias realizadas, estão as três que dona Antonia precisou fazer após fraturar o fêmur. “Minha avó já passou por muitas idas e vindas a hospitais. Os ossos são frágeis e quebram facilmente, por isso a trouxemos para este hospital. A cirurgia de emergência para aliviar as dores foi um sucesso. E, na mesma semana, ela passou por mais uma cirurgia para colocar a placa de titânio. A perna recém operada trincou o osso e mais uma vez com zelo e cuidado a equipe prestou a assistência necessária”, diz Mauriane em outro trecho da carta.

Ela explica que tentou resumir o ocorrido, por toda família agradecer o suporte que encontrou no hospital. “Gostaríamos de dizer que jamais vamos esquecer cada um de vocês e tudo o que fizeram por nossa amada nesse hospital, pois vocês, profissionais maravilhosos, depositaram dedicação em tudo. Então, essa carta representa nossa admiração e gratidão pelo trabalho que realizaram”, concluiu.

Em casa desde a quinta-feira (25), dona Antonia relembra emocionada como foi poder contar com a assistência de Alta Complexidade no serviço público perto de sua casa. “Em 67 anos eu nunca havia sido tão bem tratada em um hospital. Fico emocionada de lembrar todo o cuidado que tiveram comigo nesses dias. Todos os doutores foram bons, se importaram com o meu problema, olharam nos meus olhos e viram qual era a minha necessidade. Dos médicos à equipe de limpeza, da lavanderia, todos foram responsáveis por me deixar mais tranquila para enfrentar um problema difícil, mas que ficou mais fácil”, contou a paciente.

A neta Mauriane comemora a alta da avó. “Com base na experiência que tivemos, onde não faltava remédio, nem assistência, podemos dizer que esse governo tem olhado mais para as necessidades do povo. Minha avó não precisou se deslocar para outra cidade e fez todos os procedimentos no mesmo hospital. A confiança que tivemos no hospital foi determinante para que o resultado fosse satisfatório”, completou.

Segundo o diretor geral da unidade, Jefferson Coutinho, a unidade tem cumprido seu papel no atendimento das 26 cidades da região leste do estado. “Desde que foi inaugurado o hospital tem sido responsável por desafogar as unidades de saúde municipais e prestar um atendimento digno para a população maranhense. Nestes sete meses conseguimos avançar nos serviços oferecidos e consideramos de extrema importância a assistência dada pelo Governo do Estado para suprir as necessidades de um hospital com esse porte. Nossa prioridade é o paciente, atendê-lo com o que for preciso e da melhor maneira para que ele tenha sua saúde restabelecida”, considerou o diretor.

ESTRUTURA

O Hospital funciona com 116 leitos de internação, sendo 26 leitos de clínica médica, 26 leitos de clínica pediátrica, 26 leitos de clínica ortopédica, 26 leitos de clínica cirúrgica, 12 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Foram contratados 402 funcionários dos níveis médio, fundamental, técnico e superior para atuar no hospital. O corpo clínico conta com 50 enfermeiros e 70 médicos, aproximadamente. A população tem acesso aos serviços de apoio diagnóstico e terapia, radiologia, ultrassonografia, tomografia, endoscopia, eletrocardiograma, densitometria, ecocardiograma, diagnósticos oftalmológicos, mamografia, teste ergométrico, holter, entre outros.