Governo promove cirurgias ginecológicas com o Programa Mais Cirurgias, em Timon

Por Daucyana Castro

O Programa Mais Cirurgias beneficiou mulheres da região de Timon com procedimentos ginecológicos de média e alta complexidade. Realizadas no Hospital Regional Alarico Nunes Pacheco, as cirurgias oferecidas pelo programa fazem parte de uma estratégia do Governo do Estado para ampliar o acesso e diminuir a espera pelos procedimentos. As cirurgias em Timon aconteceram entre 25 e 29 de setembro. A unidade retomou as cirurgias eletivas no dia 10 de setembro, após o período de suspensão por conta da pandemia. 

Entre as cirurgias realizadas através do programa estão biópsias de nódulos mamários (para afastar ou confirmar suspeita de câncer de mama); curetagens semióticas (limpeza da cavidade uterina para posterior análise e estudo); histerectomia total abdominal (retirada do útero por completo incluindo corpo e colo uterino  e os dois ovários); ooforectomia (retirada de ovários em casos de cistos ou tumores); tetossigmoideoscopia + colostomia (exame para análise do reto e intestino grosso); salpingectomia (retirada das trompas em caso de inflamação ou gestação na trompa); videocolecistectomia (retirada de vesícula biliar por cirurgia de vídeo); Miomectomia (retirada de miomas do útero); e Laqueaduras (cirurgia de esterilização definitiva).

O diretor técnico da unidade de saúde e também cirurgião, Candilberto Lima Lopes Filho, destacou os investimentos em saúde pública feitos pelo Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Saúde e da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH). “Estamos descentralizando a saúde no interior do estado. A complexidade das cirurgias foi aumentando. Estamos nos aprimorando. Isso evita regulação, evita transporte do paciente e traz ganho em qualidade de vida”, apontou. 

O Programa permitiu que a unidade potencializasse a realização das cirurgias ginecológicas para agilizar os atendimentos reprimidos, e englobou também outras áreas de cirurgia geral com foco nas mulheres. No total, 25 mulheres foram submetidas aos procedimentos. 

Paciente Maria Cícera comemorou o sucesso da cirurgia

Dona Maria Cícera da Silva, 63 anos, foi uma das beneficiadas. Foi submetida a uma cirurgia de retirada dos ovários. Ela conta que era pra ter sido operada em março, mas os planos foram adiados por conta da Covid-19. Agora, ela comemora o resultado final. “Mesmo diabética, criei coragem e confiei em Deus. Fiz todos os exames aqui e graças a Deus minha cirurgia correu tudo bem. A gente tem que contar a verdade. Fui muito bem recebida, todos me trataram com muita educação. Estou muito confiante. Vou fazer a minha dieta e viver mais”, comemorou a paciente. 

A cirurgia proporcionou alívio também para Maria do Socorro Pereira da Costa. Aos 50 anos de idade, ela se submeteu a uma histerectomia. “Era para eu ter feito a cirurgia em março, mas aí veio a pandemia do coronavírus e teve que ser adiada. Mas tão logo o hospital voltou a operar, me chamaram. Não tenho nada a reclamar, somente a agradecer. Fui bem atendida, estou ótima e já quero ir pra casa”, disse a dona de casa.

“Eram pacientes com sangramentos, dores pélvicas, internações recorrentes. Com a realização dos procedimentos, as pacientes tiveram alta em pouco tempo, recuperação pós-cirúrgica mais rápida e retorno as atividades mais cedo. Sem falar nas laqueaduras. Montamos, no hospital, um programa de natalidade, com passagem pelo serviço social, psicólogos e enfermeiros. São mulheres com fragilidade social, com mais de sete filhos e com dificuldade de informação dos métodos contraceptivos”, informou o diretor da unidade. 

A previsão é que, nos meses de outubro, novembro e dezembro, sejam realizados outros procedimentos cirúrgicos englobando todas as áreas. O Hospital Regional Alarico Nunes Pacheco em Timon integra a rede de saúde do Governo do Maranhão e é gerenciado pela EMSERH.