Governo capacita profissionais do TEA sobre protocolo internacional para tratamento de autistas

Profissionais do Serviço especializado para pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), anexo do Centro Especializado em Reabilitação e Promoção da Saúde (CER) do Olho d’Água, iniciaram nesta segunda-feira (11) o curso Introdução ao Protocolo de Avaliação VB Mapp. A capacitação será de 20h, dividida em quatro dias de treinamento e é mais um investimento do Governo do Estado para a qualificação da assistência voltada às pessoas com autismo. 

O Verbal Behavior Milestones Assesment and Placement Program (VB-MAPP) é um protocolo de avaliação usado dentro da análise de comportamento aplicada – Terapia ABA, ciência utilizada na abordagem oferecida no serviço. O protocolo visa identificar e avaliar as habilidades de linguagem do paciente. O curso foi oferecido aos profissionais da saúde que trabalham com pacientes com TEA que são atendidos no CER Olho d’Água. A sigla, que traduzida para o português significa Avaliação de Marcos do Comportamento Verbal e Programa de Nivelamento, é um instrumento que compreende 170 marcos de desenvolvimento subdivididos em três níveis, que vão de zero a 48 meses de idade. 

“É um protocolo internacionalmente reconhecido. Habilita o profissional a fazer uma melhor avaliação do perfil do paciente e por consequência planejar a intervenção individualizada para ele”, explicou Flávia Neves, coordenadora do Serviço Especializado a Pessoa com TEA. 

Entre os profissionais que participaram do curso estão psicólogos, psicopedagogos, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, artesãos e profissionais da educação física. São profissionais que cuidam dos pacientes de 0 a 12 anos de idade, atendidos pelo serviço inaugurado pelo Governo do Maranhão. 

“É muito importante porque o nosso próprio serviço já pede esse trabalho especializado, direcionado ao nosso público. É essencial para desenvolvermos nossas crianças”, relatou o psicopedagogo Fernando Frazão. 

A psicóloga Simone Batista de Souza, que já trabalha há três anos na unidade de saúde, também mostrou empolgação com a realização do curso. “A importância é total para gente que trabalha com esse público. Temos que entender e desenvolver as habilidades com as crianças, conhecer o protocolo e como desenvolver essas habilidades. O que eu posso desenvolver é de suma importância, o protocolo é a fonte do nosso trabalho, a gente avalia, reavalia os casos e isso ajuda no nosso trabalho e tem reflexo nas vidas dos nossos pacientes”, avaliou. 

Segundo a coordenadora do Serviço Especializado a Pessoa com TEA, a demanda é muito grande pelo serviço. “O número de profissionais que entram no mercado não é igual ao número de pessoas que nascem com o Transtorno do Espectro Autista. Os comportamentos podem e devem ser observados em diferentes ambientes. Essa avaliação deve ser feita em casa, na rua, em ambientes particulares. Com essa capacitação, certamente”, finalizou Flávia Neves. 

O Maranhão é pioneiro na oferta do atendimento público com abordagem baseada na análise do comportamento aplicado (ABA). A expansão do serviço para o anexo ocorreu em dezembro de 2019. O serviço especializado para pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é administrado pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH).