Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares promove roda de conversa sobre prevenção ao suicídio

Os profissionais da sede da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH) iniciaram a semana com uma roda de conversa sobre Suicídio, mediada pelo neuropsiquiatra Ruy Palhano, um dos mais conceituados especialistas em saúde mental no Brasil.

A palestra foi promovida pelo Serviço de Saúde e Medicina do Trabalho (SESMT) da empresa e foi a primeira de uma série de dez encontros temáticos sobre suicídio que a EMSERH irá realizar até o fim deste mês (confira no box a programação), como parte das ações da campanha Setembro Amarelo de conscientização sobre o problema.

“Conversar é uma etapa importantíssima de todo o processo que envolve o tratamento de doenças relacionadas ao suicídio. Existia há anos um pacto velado na sociedade para se evitar falar sobre o problema, e isso só contribuiu para o diagnóstico tardio das patologias e a efetiva intervenção necessária por parte de profissionais especializados”, explica o psiquiatra Ruy Palhano. “O suicídio precisa ser entendido como uma condição de emergência médica”, alerta o psiquiatra. “Alguém que, em uma conversa com amigos ou familiares, esboce ou fale da intenção de se suicidar, deve ser encorajado a procurar o quanto antes um médico especialista para o devido tratamento e cuidado que o caso requer”, recomenda. “A maioria dos casos de suicídio está intimamente relacionado a doenças psiquiátricas, principalmente a depressão, e, portanto, exige tratamento especializado”, aponta Ruy Palhano.

Mesa de conversa sobre suicídio
(Foto: Antonio Fonseca)

Para o psicólogo Paulo Vasconcelos de Almeida, analista de desenvolvimento humano da EMSERH, as rodas de conversa sobre suicídio são uma oportunidade importante para discutir e abordar de forma séria o tema. “A partir do momento que se discute um assunto até pouco tempo considerado um tabu, cria-se a possibilidade das pessoas entenderem a complexidade e a importância do tratamento psicoterapêutico para as pessoas que estejam com pensamentos suicidas”, esclarece. “Com o passar do tempo, com mais e mais discussões sobre o suicídio, outros tabus remanescentes sobre o problema serão quebrados e a sociedade poderá entender que esse problema é parte do nosso cotidiano, passível de atingir qualquer indivíduo, mas que tem solução com tratamento e cuidados adequados”, destaca o psicólogo.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o suicídio é atualmente a segunda causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos no mundo, atrás apenas de acidentes de trânsito. A cada 40 segundos uma pessoa se suicida no mundo. Por ano são registrados 800 mil casos. De acordo com a OMS, todos os países, sejam ricos ou pobres, registram casos de suicídio. Mas quase 80% desses óbitos ocorrem em nações de renda baixa e média, segundo dados estatísticos de 2016. A maioria das ocorrências acontece em zonas rurais e agrícolas.

MESA DE CONVERSA EMSERH SOBRE SUICÍDIO PROGRAMAÇÃO
DATA PALESTRANTE LOCAL
17/09 – 9h Lidiane Colares da Silva (mestre em Psicologia) UPA Itaqui Bacanga
18/09 – 9h Paulo Vasconcelos de Almeida (Psicólogo) UPA Parque Vitória
19/09 – 9h Hévila Batista Fortes (Psicóloga)   Unidade Mista do Maiobão
20/09 – 9h Rejane Silva Coelho (Psicóloga) Hosp. Pres. Vargas
23/09 – 9h Paulo Vasconcelos (Psicólogo) Josane Tavares (Analista de Desenvolvimento Humano)   CEM Vinhais
24/09 – 9h Paulo Vasconcelos (Psicólogo) Josane Tavares (Analista de Desenvolvimento Humano)   CEM Cidade Operária
25/09 – 9h   Paulo Vasconcelos (Psicólogo) Josane Tavares (Analista de Desenvolvimento Humano)   Centro de Saúde Genésio Rego
26/09 – 9h Paulo Vasconcelos (Psicólogo) Josane Tavares (Analista de Desenvolvimento Humano)   Hospital do Servidor
27/09 – 9h Paula Penha (Psicóloga)   Auditório da EMSERH

FONTE: Comunicação e Marketing – EMSERH (ncm@emserh.ma.gov.br)