CER Olho d’Água comemora Dia das Crianças com entrega de presentes doados por funcionários da EMSERH

Fotos: Ruy Barros

Por Daucyana Castro

Foi num clima de muita descontração que o serviço especializado para pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), no anexo do CER Olho d’Água, comemorou o Dia das Crianças nesta sexta-feira (9). Cerca de 200 crianças participaram das atividades, que incluíram brincadeiras, apresentação de personagens infantis, banho de piscina, tobogã, pula-pula, pintura facial, esporte, musicalização e atividades que exercitavam a coordenação motora dos participantes. As crianças receberam presentes doados pelos funcionários da sede da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares, que administra a unidade.

A diretora administrativa do Centro de Reabilitação, Ana Eugênia Araújo Furtado, explica que por dia são em média mais de mil atendimentos realizados nos dois prédios, tratando crianças com vários transtornos. São terapias intensivas, semi-intensivas e convencional, com pacientes que comparecem à unidade de saúde todos os dias ou em dias alternados. Ela diz que celebrar o dia das crianças fornece a oportunidade de treinar as habilidades realizadas nos consultórios.

“Nosso tratamento preconiza a parte humana. Queremos que as crianças se sintam acolhidas neste espaço. Por isso, estamos celebrando em forma de diversão, mas também estimulando a psicomotricidade, atenção e concentração. Nossa equipe multidisciplinar montou as atividades para justamente colocar as crianças em condições de socialização, ajustando a diversão com o que se treina nas terapias”, explicou Ana Eugênia.

A Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares foi representada pelo diretor administrativo, Will Mesquita, que frisou a expansão do serviço e o alcance maior da oferta pública nessa área, em especial. “Mais do que nunca, temos muito que comemorar, por permitir para as famílias dos pacientes estarem juntos no dia de hoje, com acesso livre a esta casa e às atrações. É motivo de muita alegria o fato da SES permitir a EMSERH gerenciar esse serviço especial na rede do estado”, explicou Will Mesquita.

Ao final das atividades, todas as crianças presentes receberam lanche e brinquedos doados por colaboradores da EMSERH, que realizaram uma campanha de arrecadação na sede da empresa. “Temos funcionários que são movidos pelo sentimento de realizar uma saúde pública de qualidade, mais do que isso, possuem a solidariedade em seu DNA, a prova é que anualmente fazemos essa arrecadação e é sempre um sucesso. Dessa forma, distribuímos mais do que presentes, também alegria e esperança”, destacou Will Mesquita.

A psicóloga Flávia Neves, coordenadora do serviço técnico do TEA, reforçou a importância do evento como parte do tratamento das crianças. “É um treinamento de habilidades mais funcionais empregadas em ambientes naturais. A importância de um evento dessa magnitude é possibilitar a inserção dessas crianças em ambientes regulares sociais e comunitários, ambientes da vida real e fora do contexto terapêutico. É também uma forma dos pais se prepararem para o comportamento dos filhos”, reforçou a psicóloga.

Entre uma brincadeira e outra, a equipe da unidade se reuniu e fez um agradecimento geral por poder oportunizar este espaço às crianças. “Esse é um momento de muita alegria, de sentimento de realização, de poder unir hoje as duas unidades, reunir as crianças, poder contribuir para a melhoria das atividades deles do dia a dia. Temos que agradecer à Deus, à Secretaria de Estado da Saúde e à EMSERH por esse momento de lazer e festividade”, declarou a diretora geral do CER Olho Dágua, Renata Trajano.

Joaquina Vieira Silva trouxe a pequena Sofia, de 8 anos, para a comemoração. “Achei muito legal um dia assim para descontrair. A gente até leva pra brincar em outros parques, perto de outras crianças, mas elas levam desvantagem. Aqui minha menina está livre”, explicou a mãe.

A menina teve o diagnóstico de autismo com 1 ano e 10 meses de vida. Há um ano faz tratamento no CER Olho d’Água e a mãe viu o progresso no tratamento influenciar positivamente no dia a dia de Sofia. “Ela foi uma criança que fez tudo no tempo certo. Mas depois de 1 ano notei ela sem falar, muito paradinha, parece que via o mundo em preto e branco. Depois do tratamento, ela evoluiu bastante. Hoje, ela já pronuncia algumas palavras, já chama ‘papai’ e ‘mamãe’, já sabe apontar, sabe esperar”, concluiu a mãe.

São muitas crianças, diferentes famílias e várias histórias. A pedagoga Fabiana da Conceição Silva Passos resolveu se especializar em educação especial e psicopedagogia depois que o filho Arthur, de 11 anos, foi diagnosticado com TDAH – Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade. O menino participou ativamente da festa, fez cupcake, brincou de massinha e arriscou uns passinhos no futebol. A mãe elogiou a iniciativa e o tratamento destinado ao filho na unidade de saúde.

“Foi ótima essa ideia. Ele gastou muita energia, brincou bastante, até de piscina banhou. Quanto ao tratamento, nada a reclamar, somente elogiar. É um excelente atendimento, correto e de acordo com a necessidade dele”, concluiu Fabiana.

O Centro Especializado em Reabilitação e Promoção de Saúde do Olho D’água (CER Olho D’água) é um equipamento que integra a rede de estado da saúde e é gerido pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH).