CEM Diamante promove nova edição do projeto “Educação em Diabetes para crianças e adolescentes”

Crianças, adolescentes e familiares de portadores de Diabetes congênita tiveram nesta sexta-feira, 6, em São Luís, mais uma oportunidade de aprimorar conhecimentos sobre os cuidados e tratamento da doença. O serviço estadual de Diabetes e Hipertensão do Centro de Especialidades Médicas do Diamante promoveu uma nova etapa do projeto “Educação em Diabetes para crianças e adolescentes”.

No encontro, realizado a cada três meses, uma equipe multidisciplinar de saúde do CEM Diamante, unidade referência estadual no tratamento especializado de Diabetes, se reúne com pacientes e seus familiares para trocarem informações e experiências sobre o tratamento e controle da Diabetes.

“A educação continuada do Diabetes é um passo fundamental para o controle da doença”, explica a endócrino-pediatra Débora Lago., coordenadora do grupo. “Esses encontros trimestrais entre profissionais de saúde, pais e crianças portadoras de Diabetes têm como objetivo principal fortalecer a importância da família dentro do processo da melhoria da qualidade de vida dos pacientes”, reforça.

Encontro teve oficina de Contagem de carboidratos
(foto divulgação)

Nesse novo encontro sobre educação em Diabetes o foco principal foi a alimentação. Pais e mães puderam esclarecer dúvidas sobre a dieta recomendada a portadores de Diabetes congênita e também saber mais sobre a Contagem de Carboidratos, terapia nutricional que contabiliza os gramas de carboidratos consumidos nas refeições e lanches, a fim de manter a taxa de glicemia dentro de limites convenientes.

“Quando as mães aprendem a fazer o acompanhamento nutricional, essa alimentação adequada ajuda muito no controle permanente da glicemia na criança“, comenta a nutricionista Aline Albuquerque. “Os hábitos alimentares tradicionais do maranhense incluem muitos carboidratos (farinha, pão, arroz etc), e isso acaba dificultando muito o controle das taxas de açúcar dos portadores de Diabetes”, aponta a nutricionista.

A psicopedagoga Késsa Andrade e o filho, diagnosticado há seis meses com Diabetes
(foto: Walland Silva)

O projeto “Educação em Diabetes para crianças e adolescentes” é desenvolvido há três anos pelo serviço público estadual de Diabetes e Hipertensão.
O trabalho é feito por uma equipe multiprofissional, composta por endocrinologista, nutricionista, psicólogo e assistentes sociais.

A psicopedagoga Késsia de Almeida Andrade descobriu no início do ano que seu filho único, de 10 anos de idade, era portador de Diabetes tipo 1. O diagnóstico da doença  mudou bruscamente a rotina da família, que precisou se adaptar rápido às mudanças de hábitos de vida que a Diabetes impõe.
Nesta sexta-feira, acompanhada do marido e do filho diabético, a psicopedagoga participou ativamente da nova etapa do projeto “Educação em Diabetes para crianças e adolescentes”, realizada no auditório do CEM Diamante. “Não perco por nada nesse mundo esses encontros”, comenta. “Cada nova edição é um reforço importante nessa batalha diária e permanente pela saúde do meu filho”, finalizou.

Fonte: Núcleo de Comunicação e Marketing da EMSERH