Calçados fabricados no Genésio Rêgo ajudam pacientes com hanseníase

Calçados especiais facilitam caminhada de portadores de hanseníase

José Melo é sapateiro há mais de três décadas e, agora, ele usa seu talento para  ajudar pessoas com hanseníase. Trabalha em uma sala disponibilizada no Hospital Genésio Rêgo, unidade hospitalar gerida pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH), na Vila Palmeira

“A gente fica satisfeito em poder ajudar. É gratificante ouvir das pessoas um obrigado. Eu trabalhava com calçados e a equipe da saúde entrou em contato comigo para que eu pudesse confeccionar os sapatos para os pacientes com hanseníase. E aqui estou”, disse.

Os calçados são adaptados conforme a necessidade do paciente. Além das sandálias, ele fabrica férulas, espécie de tornozeleiras que auxiliam no levantamento do pé do paciente, permitindo um melhor apoio na pisada. Por ano, são confeccionados dezenas de calçados.

A diretora administrativa do Genésio Rego, Aline Almeida disse que os especialistas da unidade realizam análise dos pacientes com problemas de locomoção, e assim, definem os pontos nos quais é necessário um maior amortecimento dos impactos do caminhar. “Normalmente, os pacientes que tem sequelas tem anestesia plantar. É importante que se use um calçado especial, que seja macio, confortável e que ele não se preocupe. Os nossos calçados são adaptados para proteger os pés do paciente e são fornecidos para todos os que não têm condição de comprar”, explicou a diretora administrativa Alyne Almeida.

A aposentada Lúcia Martins Cutrim, por exemplo, fez um tratamento durante dois anos, inclusive usando sandálias produzidas na unidade de saúde. Antes, ela passou por intervenções médicas no Centro de Saúde de Especialidades Médicas, no bairro Diamante, unidade gerida pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares.

“Começou com uma mancha no corpo aos 12 anos de idade. Não me importei muito, mas fui diagnosticada com hanseníase. Quando eu completei 35 anos, a doença se agravou e eu sentia dores e dormência pelo corpo. Passei pelo tratamento nas unidades geridas pela EMSERH e conseguir me recuperar. Ficaram algumas sequelas, mas levo uma vida normal. Ainda preciso tomar alguns medicamentos hoje em dia, mas são para outros problemas de saúde, como diabetes e hipertensão”, disse ela, que ficou curada da hanseníase.

Entre os materiais utilizados para a confecção dos sapatos, estão borracha, napa sintética, passadores, velcro, EVA revestido com tecido e antiderrapante. Além disso, cola de sapateiro, tesoura, lixadeira, linha e forma de madeira.

“Aqui no setor, pelo SUS, a gente oferece tanto as órteses digitais, como as órteses para os pés, que são as sandálias e as férulas de hades. Isso tem sido algo extremamente relevante no tratamento de pessoas com hanseníase e tem transformado para melhor a vida dessas pessoas. Isso é motivo de muita alegria para todos nós do Hospital Genésio Rêgo”, disse a terapeuta ocupacional Patrícia Fonseca.