Governo lança campanha de doação de sangue para manutenção das cirurgias nas unidades de saúde

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) inicia esta semana uma nova campanha para incentivo à doação de sangue no Maranhão. O objetivo é a manutenção dos estoques de bolsas de sangue para o abastecimento das unidades de saúde. A expectativa é retomar o número de doadores em mais de 50%. A queda nas doações foi registrada em razão das doenças respiratórias, típicas neste período, e da dificuldade com deslocamento em razão da redução do transporte público e do racionamento do combustível.

O Hemomar recebe em média 180 doadores por dia. Porém, nos últimos dias essa média caiu para 120/dia – uma queda de cerca de 30%. “Observamos uma queda mais acentuada a partir de segunda-feira (28) no número de doadores, mas desde a semana passada houve redução. Consequentemente, isso se reflete no estoque. Vários tipos de sangue estão com estoque abaixo do mínimo desejado, ou seja, estão com estoque crítico”, destacou a coordenadora do setor de captação do Hemomar, Socorro Ferreira.

Segundo Socorro Ferreira, a redução no número de doações tem relação direta com a greve dos caminhoneiros e a crise de combustíveis no país. Outro favor desfavorável é o elevado número de doadores do cadastro doentes. Eles são convocados em período de estoques em situação mais crítica.

Para doar sangue, basta estar em boas condições de saúde, ter entre 16 e 69 anos de idade (menores de 18 anos precisam de autorização) e pesar no mínimo 50 Kg. No dia da doação, é preciso ter dormido ao menos 6 horas nas últimas 24 horas, estar alimentado (sem alimentos gordurosos), não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 12h e estar portando documento com foto.

Quem não pode doar

Entre os grupos que não podem doar sangue estão mulheres grávidas, pessoas que tiveram hepatite após os 11 anos de idade, portadores de hepatites B e C, Aids, Doença de Chagas, malária e quem faz uso de drogas ilícitas injetáveis.

Se estiver resfriado, o doador deve esperar 7 dias após o desaparecimento dos sintomas. Quem fez tatuagem, maquiagem definitiva, esteve em região de malária ou fez sexo sem proteção deve aguardar um ano.

fonte: Secretaria de Estado da Saúde